quinta-feira, 9 de junho de 2011

10 anos...

Hoje (10 de junho) faz dez anos que minha mãe retornou à sua verdadeira Morada... lembro-me ainda, como se fosse hoje, do susto que nos causou. Não estava doente, tinha apenas uma tosse irritante, igual à que tinha todos os anos nesta época. Tosse alérgica, devido ao tempo seco. Chegamos, mais uma vez, a perguntar se não queria ir a um médico, mas ela já estava tão acostumada a ter aquilo sempre que nem pensou a sério no assunto.

Adiantaria ter pensado? Duvido muito. Era chegada a hora, simplesmente. Minha mãe se preparou a vida inteira, sempre teve um lado espiritual fortíssimo, estava pronta para seguir caminho e ajudar em outros planos nos tempos difíceis que o planeta havia de enfrentar dali por diante. E é sempre assim, não é? Os bons vão na frente quando reforços são necessários lá em cima... duro é para quem fica!

Depois, quando a ficha começou a cair, percebi que ela fez de tudo para nos preparar. Chegou a dividir as tarefas que ela costumava fazer entre nós! E foi em paz... como não podia deixar de ser. De forma suave, sem deixar dúvidas, sem dar tempo a internações, entubações, ou coisa que o valha. Foi "como um passarinho", não é assim que dizem?

Percebi ainda, algum tempo depois, como muito havia sido revelado a ela mesma em sonhos. Sonhos que ela lembrava ao acordar, que contava a nós sem entender bem o significado. Porque o significado não era imediato, era para mais adiante. Ela viveu, de fato, tudo aquilo que lhe foi mostrado em sonho alguns anos depois. Tenho certeza disso.

Não foram fáceis estes anos. Minha mãe era uma presença muito forte em nossas vidas, o pilar mestre da casa, e ficar sem a presença física dela foi algo muito complicado. Para mim, perdi a companheira que tinha para tudo, éramos muito ligadas. Meu pai, a companheira da vida toda. As meninas, a avó-mãe, que tudo segurava. Mas aos poucos, unindo forças, um apoiando o outro, fomos reaprendendo a caminhar.

Eu e meu pai nos tornamos unha e carne, inseparáveis. Ele teve vários relacionamentos nesse período, não sabia mesmo viver sozinho (e minha mãe cantou essa bola bem antes de partir), mas mesmo assim nos falávamos várias vezes ao dia, continuamos a dividir tudo, alegrias e preocupações, sem segredos um com o outro. Éramos os dois contra o mundo!

E, de repente, ele resolve que a saudade de sua Solange já doía demais, já tinha durado demais, e que este aniversário de dez anos era para comemorarem juntos! Adoeceu, meio que para nos preparar, mas ao mesmo tempo para limpar as últimas "sujeirinhas" que sua alma ainda carregava. Nos fez ver, por mais confiantes que estivéssemos em sua recuperação, que nada era definitivo. Que podíamos, ainda que fosse difícil, não contar com sua ajuda o tempo todo. Simples assim... ele se arrumou todo, passou a última noite aqui em casa, despediu-se de mim e das meninas, esperou ficar sozinho com a Samara, e partiu. Fácil? Nem um pouco. Mas já falei sobre isso nos posts do último mês, né?

Eu tenho muita sorte, sabem? Fui presenteada com pais maravilhosos, espíritos de pura luz, almas gêmeas que aqui se uniram e se dispuseram a me receber, orientar, educar, mostrar o caminho correto. Eles me ensinaram que Fé não é algo que tenha "senões", ou se acredita ou não se acredita que Deus sabe o que faz e que nos destina exatamente o que é melhor para nós sempre. Eu sei disso.

Por isso não me revolto, ao contrário. Apesar da saudade que sinto, imensa, doída, fico feliz de saber que eles estão juntos novamente. E bem, em paz e, principalmente, felizes, como eu sempre quis que estivessem. Tudo bem, que eu queria, na verdade, que eles estivessem juntos, bem, em paz, felizes, AQUI... comigo, com as meninas... AQUI fisicamente, e não em outro plano, óbvio! Mas nem tudo é como queremos, né? ;)

Agradeço, a cada dia, a sorte de ter os dois como pais. E de ter os dois perto de mim, ainda que não os veja mais. E de ter os dois partido sem sofrimento, porque isso foi bom para eles e para mim também, que não gostaria de vê-los sofrer.

Mas a saudade fica... e não há como fingir que não existe. Não há como esquecer estas datas, como se elas não existissem. Ao contrário. Se 14 de janeiro era comemorado o aniversário de minha mãe aqui, em 10 de junho temos mais é que comemorar o anivesário de minha mãe lá! E, festeira como ela sempre foi, imagino a festa de arromba que está armada... ainda mais com meu pai junto dela! Minha nossa... o céu hoje vai tremer!!! :D

Pois que festejem! Muito, juntos, como há dez anos queriam fazer! Vocês dois merecem isso, merecem toda a luz e toda a alegria desse mundo! AMO MUITO VOCÊS!

(Mas se puderem me deixar ir rapidinho, durante meu sono mesmo, assistir a um pedacinho que seja da festa, não vou reclamar, tá???? Só o tempo de abraçar e beijar vocês muito...)


Andréa
(postado antes da meia-noite porque o sono e o frio estão grandes demais...)

1 comentários:

Jaque Bampi disse...

Teus posts me emocionam. Teu amor pelos seus pais e tua espiritualidade também. Que Deus te permita ir à festa!

10 de junho de 2011 22:06

Postar um comentário