domingo, 5 de junho de 2011

Um mês...

O scrap é antigo, mas os dizeres são para sempre...

Um mês se passou...
Pouco e muito ao mesmo tempo
Sinto ainda como sonho
Que se acabará a qualquer momento

Tanto medo eu acalentava
Que do assunto sempre fugia
Pensamento, entretanto, alertava
Que em breve você me deixaria

Quando, no entanto, a hora chegou
Eu mesma me surpreendi
Apesar do susto, do impacto, da dor
Com a forma como reagi

Tenho estado bem, até
Melhor do que poderia imaginar
Ainda que a falta continue doer
E eu precise, vira e mexe, chorar

E dói, pai, como dói
Não poder ligar, falar, abraçar...
Esta saudade por vezes corrói
E me faz de novo desabar

Sei que está bem, sem sofrer
Feliz ao lado de minha mãezinha
Que era hora de você aí renascer
E de eu trilhar aqui, sozinha

Não sozinha de fato, é certo
Porque vocês dois olham por mim
Amparam, protegem, de perto
Até nos reencontrarmos por fim

Mas não há como impedir
Que a ausência física doa
Ainda assim já consigo sorrir
A cada lembrança boa

Que me ver feliz, eu sei
E eu serei, pode acreditar
Quero que siga seu caminho em paz
Sem comigo ter de se preocupar

Só não se afaste demais, eu peço
Venha de vez em quando me visitar
Em sonho, em prece, um encontro
Para eu poder de novo lhe abraçar...

Amo você, paizinho... você faz muita falta aqui!

Andréa

1 comentários:

lena lemos disse...

Ah que lindo, emocionou, chorei, sem o que te dizer, mas que sempre acreditando que ele esta bem, e iluminando vc com certeza bjs te amo amiga

6 de junho de 2011 23:04

Postar um comentário