terça-feira, 21 de março de 2017

Pelo fim da "R-word"



Você já ouviu falar na "R-word"? É assim que um movimento mundial, cada vez maior, se refere à palavra "retardado/a", buscando eliminá-la de nosso dia-a-dia. "Ai, lá vem os politicamente corretos novamente!" "Ah, mas o mundo anda muito chato!" "Mas qual o problema, gente? As pessoas se ofendem por nada!" Será?

Primeiro de tudo, você já parou para refletir sobre o que se trata o "politicamente correto", antes de criticá-lo tão veementemente? Eu até concordo que tudo que é excessivo perde o sentido, mas o que se chama de "politicamente correto" é uma tentativa de respeitar a diversidade em todas as suas formas. Respeitar o outro, da mesma forma que queremos ser respeitados. Você gostaria de ser motivo de piada, muitas vezes em rede nacional, por causa de uma característica sua? Então por que os outros têm que aceitar "numa boa"? Mesmo que não falem diretamente de você, será que uma piada sobre "loura burra" não atinge em cheio as mulheres louras (e inteligentíssimas), fazendo com que se sintam diminuídas apenas pela cor de seus cabelos? Óbvio que tem pessoas que não ligam, que até participam da brincadeira, mas tenho certeza que muitas se incomodam e fingem que não, apenas para não bancar as "chatas certinhas".

Vale para tudo, o negro (e não a pessoa "de cor", "escurinha", ou outros termos ainda mais chulos que ouvimos por aí), o gay (e não "boiola"), a pessoa com excesso de peso (e não o "balofo"), a que é ou está muito magra (não "varapau"), a que usa óculos (não "quatro-olhos"), e por aí vai. Até porquê, muitas vezes o uso destes termos serve apenas para colocar a característica à frente da pessoa. Como questionei uma vez: porque falar "bonito aquele rapaz negro" ao invés de "bonito aquele rapaz"? Alguém fala "bonito aquele rapaz BRANCO"? 

No caso das pessoas com deficiência isso se torna ainda mais grave, porque estes rótulos são, muitas vezes, mais limitantes do que as próprias deficiências. A pessoa que usa cadeira de rodas pode, de modo geral, ser identificada como "cadeirante", mas nunca como "aleijada". A que tem deficiência visual é, em alguns casos, cega (mas não "ceguinha"), a que tem deficiência auditiva pode ser surda (e não "surda-muda", na maior parte dos casos), a pessoa com deficiência intelectual tem uma deficiência ou uma síndrome, como a síndrome de Down (mas em hipótese alguma é "retardada", "doentinha", "mongolóide"). Aliás, este último é um termo que se pode, ou melhor DEVE, abolir do linguajar, né?

O termo "mongolóide" foi usado por muito tempo para se referir às pessoas com síndrome de Down, porque faziam um paralelo entre a fisionomia destas pessoas e aquelas nascidas na Mongólia. Só que, enquanto a ciência avançava e mudava a nomenclatura e a forma de ver estas pessoas, o termo passou a ser usado de forma ofensiva, pejorativa, como sinônimo de incapacidade. Hoje, as pessoas com síndrome de Down não gostam de ser chamadas desta forma. Claro! Quem gosta de ser chamado de incapaz? Então, continuar a usar este termo, mesmo que se dirigindo a outra pessoa, é ofensivo para todas as pessoas com síndrome de Down! Será que entendendo isso, você continua achando que realmente as pessoas se ofendem por nada?

Voltando ao tema principal deste texto, a tal "R-word"... eu já vinha ensaiando um texto sobre ela, mas na correria diária vai passando, passando... até que há alguns dias eu li no Facebook de uma amiga o seguinte relato: "O preconceito nunca vai acabar. Esta semana Rita, na farmácia onde trabalha, foi atender uma senhora, e a mulher afastando-se dela, disse com grosseria: 'Não quero ser atendida por uma retardada, quero ser atendida por outra pessoa'".

A Rita, a que o relato se refere, é minha querida Rita Pokk. Moça inteligente, independente, atriz, casada há 13 anos com o Ariel Goldemberg e que, por acaso, tem síndrome de Down. (Quer conhecê-la? Assista ao programa da Eliana do último domingo!) Foi por esse "cromossomo a mais" que a cliente achou que tinha direito de usar a tal "R-word" e ofender a Rita! Claro que não posso concordar com isso, e a vontade de escrever sobre essa palavrinha voltou com tudo! O uso dela é ainda mais grave do que "mongolóide", porque afeta todas as pessoas com deficiência intelectual, e não somente aquelas com síndrome de Down. 

É preciso que se entenda que a pessoa que tem deficiência intelectual pode aprender de forma mais lenta, ou precisar que se explique mais vezes o mesmo tema, o que até se entende por retardo, mas isso nada tem a ver com incapacidade. Elas podem aprender, e aprendem de fato, se lhes for dada oportunidade para isso. Esse "retardo" é uma característica apenas da deficiência intelectual, e não a forma de identificá-la. Rotular uma pessoa com deficiência intelectual de "retardada" é minimizar toda a sua capacidade, é destruir todas as suas outras características, todas as suas qualidades, nivelando-a por baixo. E, pior: nivelando-a pela expectativa mais pessimista possível. A partir do momento em que se coloca um rótulo com este peso sobre uma pessoa, tira-se dela todas as possibilidades de vitória, de conquistar seu espaço. É justo isso?

"Ah, mas eu não uso para essas pessoas, mas para aquelas que fazem alguma coisa muito sem noção!" Ok, mas o simples fato de usá-la desta forma mostra que a considera ofensiva! É essa a finalidade básica da palavra, não se trata de um elogio a ninguém, concorda? Portanto, se você faz uso desta palavra, se considera que um intelecto um pouco mais lento do que o seu é motivo de ofensa, está, por tabela, ofendendo a todos aqueles que têm deficiência intelectual! Simples assim!

Percebe agora? Acha mesmo que "tudo bem" continuar usando essa palavra por aí?

Então vou lançar aqui um desafio: que tal aproveitar hoje, Dia Internacional da Síndrome de Down (dia 21/03, em alusão à trissomia do cromossomo 21) para homenagear a Rita e todas as pessoas com síndrome de Down ou outra deficiência intelectual, abolindo de uma vez por todas a tal "R-word" do vocabulário? Mesmo que vez ou outra você ainda "escorregue", vale a tentativa! Quanto mais se policiar, menos vezes falará! Quem topa?

Mais ainda: que tal ajudar a disseminar essa ideia? Compartilhe este texto, o site "Spread the world to end the word" ou, mesmo, o vídeo para que mais e mais pessoas tomem consciência e parem de utilizar essa palavra! Quando ouvir alguém dizê-la, procure explicar os motivos para a pessoa não usar mais. Posso contar com sua ajuda?

Aos meus queridos de olhos amendoados, todo meu amor no dia de hoje, esperando que esta comemoração ajude a tirá-los, cada vez mais, da invisibilidade, trazendo a todos respeito aos seus direitos de estudar, trabalhar, namorar, ter uma vida plena, autônoma e digna. 

Eu volto!

Andréa

Leia mais!

quarta-feira, 15 de março de 2017

Fim de ciclo


Há algum tempo comentei aqui sobre a reestruturação pela qual o banco está passando, e o que isso acarretou para mim. Perdi o cargo e, para garantir meu salário, precisava me realocar (ou ascender de função) o mais rápido possível. Isso tornou o início do ano beeeeeeeem tumultuado, tanto que tirei férias e não arredei pé daqui. Fiquei atenta às notícias, cheguei a ir à agência quando abriram possibilidade de ascensão, para poder concorrer desde o começo a todas as vagas possíveis, como comentei na última postagem do blog.

Mas, as férias acabaram, voltei ao trabalho, e apesar de meus esforços, fui vendo as vagas se acabando e eu na incerteza do que aconteceria. Batalhando, sempre! Desistir é palavra que não existe no meu dicionário, mas o emocional ficou muito balançado, por tudo que já comentei: essa incerteza toda, unida às dificuldades financeiras. Os scraps estão parados, não tenho mexido na loja... cadê cabeça? Gregório tem me ajudado muito a segurar tudo, de verdade. 

Só que sou filha de Ronaldo e Solange, né? Então, todo dia dava entrada no ponto e começava a olhar as vagas. Riscava as que tinham sido preenchidas, colocava meu nome nas que abriam, mandava email me apresentando, e torcia. Muito. Cheguei a ser chamada para uma entrevista, em Jundiaí, que seria perfeito... mas éramos nove "ex-"assistentes, todos com cargos perdidos na reestruturação, e apenas uma vaga. Não deu. E não havia mais vagas na região, para cargo nenhum que eu estava buscando. Restavam algumas - poucas, pouquíssimas - fora daqui. Continuei concorrendo.

E então, dia 08/03, dia da mulher, cheguei à agência e o gerente me perguntou: "e aí? Já está sabendo?" "Oi??? Sei de nada, nem dei entrada ainda!" "É que parece que você está nomeada em um lugar aí!"


Assim, sem aviso, sem contato algum, consegui minha realocação! Vou para a Agência Santana, em São Paulo! YES! Povo de Sampa, estou voltando!!! Dia 10/04 tomo posse na agência, ou seja, passarei meu aniversário em... Sampa!

Não vou mentir, eu vinha sentindo que era isso que ia acontecer. Faz 20 anos que saí de São Paulo rumo ao interior, em Serra Negra, e de repente o ciclo está se fechando e é hora de voltar. Por isso concorri às vagas que surgiram, e deixei o caminho aberto para o que tivesse que acontecer. Se fosse por aqui, ótimo. Se fosse em São Paulo, ótimo também.

Mas eu confesso que a ficha ainda está caindo, e a cabeça está a milhão. Providências demais a tomar, casa para alugar, casa para entregar (e tem que pintar, ajeitar antes), ai! O ideal é conseguir tomar posse na nova agência já morando em São Paulo, mas não há como ter certeza ainda, estamos em busca. A esperança é que, estando em São Paulo, as meninas consigam trabalho, eu consiga daqui um pouco subir de cargo, consiga lecionar também à noite... e com isso equilibraremos o lado financeiro de uma vez por todas. Chega! São seis anos de batalha em cima de batalha, já deu!!! Eu preciso, e acredito que mereço, um pouco de paz na minha cabeça, né???

O alugar tem outra complicação... caução ou fiador? Estou péssima de grana, como já comentei, a caução da casa em que estou servirá para colocá-la em ordem para poder entregar. Sei lá SE sobra algo, nem quanto. Mas certamente não cobre a nova caução. Fiador? Ô coisa chata de se pedir... e de se aceitar, né? Tem que confiar MUITO! (alguém aí se habilita???) Mas, vamos confiar, porque se os sinais apontam este caminho, ele há de estar aberto e todas as dificuldades cairão por terra.

A parte melhor de tudo, claro, é a proximidade de tantos amigos! A facilidade de encontrá-los, de participar de tudo aquilo para o qual me convidam e sempre acabo precisando recusar. Então, preparem-se... ESTOU VOLTANDO!!!

A todos de Itatiba, da cidade e do banco (que tem funcionários de Jundiaí também), que me receberam com tanto carinho, só tenho a agradecer! Minha casa estará sempre aberta para recebê-los, e Facebook está aí para ajudar a manter contato! Não irei esquecê-los jamais!!!

Só como curiosidade, dia 08/03 tem uma simbologia interessante para mim, no banco. Foi meu primeiro dia de trabalho em Amparo, ainda em 2010. Foi meu último dia de trabalho em Amparo, em 2013 (assumi em Itatiba dia 11/03). E foi o dia dessa nova nomeação. Coincidências???

Eu volto! 
(Logo, de verdade... tem postagem prontinha, mas eu precisava contar as novidades primeiro!)

Andréa

Leia mais!

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

Por um ano com mais empatia, compaixão, AMOR!


Janeiro passou como um raio, e eu nem consegui dar uma chegadinha aqui... mas tirei 20 dias de férias, e aproveitei ao máximo um molequinho lindo, fofo e gostoso! :D Até surgiram ideias (não descartadas) para novos textos, só que acabei preferindo curtir bebê mesmo... :P E valeu, viu? O que ele desenvolveu este mês não foi brincadeira! Rompeu o primeiro dentinho, só quer saber de ficar em pé, adooooooooooooora música (e dança, e bate palma!), está comendo de tudo (e bicando do que estamos comendo também), uma delícia! Ainda assim consegui finalizar o Projeto 52 de 2016 e iniciar o de 2017! E ainda retomei o projeto Pedaços, tentando criar um novo scrap de frases ou trechos de música por semana. Tenho conseguido postar coisa nova todos os domingos, vamos ver se vai dar certo assim! Mas os álbuns já estão atualizados! Inclusive o menu superior já direciona ao Projeto 52 de 2017 e o de 2016 foi para o menu lateral.

Durante o período de férias, também, prestei novamente o seletivo aqui em Itatiba, para continuar lecionando (ao menos enquanto a situação no banco não se define) e fui aprovada em 10º lugar. Ou seja, DEVO conseguir! Já ajuda a dar uma aliviada no financeiro, porque a coisa está FEIA, como comentei no último post! E nesse período foi aberta finalmente a possibilidade de ascensão no banco, ao invés de apenas realocar na lateralidade, como estava sendo até então. Estive, então, na agência, e verifiquei as vagas abertas para poder concorrer. Afinal, se precisar mudar de cidade, melhor que seja galgando mais um degrau, né? Já estou com a "cabeça feita" de que dificilmente poderei permanecer em Itatiba, e que muito provavelmente terei que voltar para a capital. Não era minha intenção, nem é a minha solução preferida, mas também entendo que posso estar fechando um ciclo de 20 anos (fomos para Serra Negra em fevereiro de 1997). E, claro, tudo tem seu lado positivo, voltando para São Paulo estarei mais perto dos amigos, as meninas terão melhores oportunidades de emprego, enfim... Deus sabe como faz as coisas, e eu tenho muita Fé (Valeu seu Ronaldo! Valeu, dona Solange!) de que o melhor vai acontecer em nossas vidas! TEM que acontecer! ;) 

Para retomar a escrita aqui no blog, resolvi voltar a falar de um tema que já escrevi mas continua me incomodando MUITO... a falta de empatia que se vê por aí hoje. Quanto veneno, quanta mesquinharia, quanta crueldade, quanto ódio sendo destilado, em especial na internet. Hoje, com o falecimento de d. Marisa, esposa de Lula, mais uma vez se multiplicaram os comentários maldosos, tanto nas redes sociais quanto nas matérias de sites de notícias. No dia em que ela foi internada eu até comentei sobre isso no meu Facebook. No mesmo dia, aliás, houve um caso envolvendo a menina Sophia, que morreu vítima de bala perdida. Uma professora fez uma postagem classificando o ocorrido como "justiça divina" porque seu pai era policial. Esta mesma professora, aliás, já tinha se envolvido em polêmica anterior, ao comemorar a morte de um jovem de classe média/alta em um acidente de lancha. Recentemente, com o acidente envolvendo o time da Chapecoense, houve uma página no Facebook soltando posts (pseudo humorísticos) falando do medo de acidentes de avião, mostrando imagens deles dentro do avião antes e depois do acidente... para quê? Para ganhar uns "likes"? o.O 

Sabem? Eu fico pensando o que aconteceu com o sentimento das pessoas... como pode alguém, em sã consciência, VIBRAR, ficar FELIZ com um acidente, uma doença ou com a morte de alguém? Caramba! Estamos falando de seres humanos! Gente como nós, com qualidades e defeitos! SIM! Gente como NÓS. GENTE! 

Por pior que a pessoa seja/tenha sido, ou por mais que tenhamos algo contra um familiar seu, desejar o mal de alguém, ou comemorar o sofrimento de alguém é muito baixo! Independente do que a pessoa fez, se agirmos da mesma forma estamos então nos nivelando por baixo, estamos nos equiparando à pessoa que consideramos errada! Um erro justifica o outro? Além do quê, quem somos nós para determinar o que o outro merece? Sabemos qual foi o seu esforço em cumprir aquilo que lhe era destinado nesta encarnação? Será mesmo que nós estamos fazendo o nosso melhor? Somos perfeitos, por acaso? Julgar os outros é muito fácil... mas e os nossos próprios erros? Como podemos afirmar, de forma categórica, que jamais agiríamos como aquela pessoa, sem termos vivenciado a sua história?

É uma falta de empatia, de compaixão, de amor ao próximo, assustadora! Fruto da intolerância que anda imperando por aí, e que já foi tema de texto aqui no blog em algumas ocasiões. Não se aceita mais uma opinião contrária, não se aceita mais que se pense diferente, tudo é motivo de discussões, de "acabar a amizade". 

Não estou aqui dizendo que temos, necessariamente, que SOFRER com o que aconteceu ao outro, até porquê a gente sente por aqueles que nos são caros ou com pessoas/situações que nos tocam de alguma forma. Foi o caso do time da Chapecoense, foi o caso do Domingos Montagner (que, aliás, também foi alvo de intolerância). Dizer que estamos sofrendo por algo que não nos afeta de verdade é hipócrita. Mas, ao menos, que não sejamos cruéis com quem está sofrendo! Quem está vivenciando a situação merece, ao menos, respeito! A dor é real para aquela pessoa, para sua família. Dizer que alguém "merece" sofrer é ser maldoso ao extremo, talvez até pior do que o tal alguém! Que tenhamos a hombridade de, no mínimo, ficarmos calados! Sabe aquela história de "boca fechada não entra mosquito"? Ou "a palavra é prata, o silêncio é ouro"? Se não temos nada de bom para dizer, que não digamos nada! Não vamos continuar poluindo o planeta com mais energia negativa! 

E, se conseguirmos, que desejemos o bem. Que a pessoa não sofra, que lhe chegue a cura, que siga o caminho dela em paz, que receba Luz, que Deus ampare o coração dos familiares. Coisas simples, mas de uma energia boa poderosa! E boas energias fazem um bem danado ao astral coletivo! Sem contar que... sabem "Lei da Atração"? Pois é... quanto mais desejamos o bem mais atraímos o bem. E vale o mesmo para o mal. Afinal, o que será que desejamos atrair para nossas vidas? ;) 

O ano novo começou há um mês... vamos fazer dele um ano mais amoroso? Espalhar positividade, compaixão, solidariedade, AMOR? É muito mais fácil do que vocês imaginam!

Eu volto!

Andréa

Leia mais!

sábado, 31 de dezembro de 2016

Finalizando 2016



Estou bem em falta com vocês, eu sei... mas esse ano não foi nada fácil! Tiveram, claro, coisas muito boas acontecendo, como as aulas no EJA, os projetos de inclusão aqui em Itatiba e, acima de tudo, o nascimento do Gregório! Aliás, esse molequinho só nos dá alegrias! Completou 7 meses ontem, esbanjando lindeza, fofurice, sapequice por onde passa! Como resistir aos seus gritinhos e gargalhadas? Eu não consigo! Não mesmo!!!

Mas, apesar dessas coisas todas, foi um ano bem complicado. Financeiramente, então... nem se fala! Houve momentos mesmo de bater desespero, de achar que não ia dar certo, que ia "morrer na praia"! Aos "trancos e barrancos", chegamos ao fim do ano, com as coisas um pouco mais equalizadas. Um pouco, não totalmente, mas também com esperança de dias melhores. "A fé que me faz, otimista demais"... e vamos em frente! 

Não pensem que é fácil, pois não é. A reestruturação pela qual está passando o banco trouxe muita incerteza, para a minha vida e para de todos o que ali trabalham. Não falei muito do assunto, mas algumas pessoas perguntam, então vou explicar da melhor forma possível. O banco abriu um plano de aposentadoria incentivada e, ao mesmo tempo, um plano de reestruturação visando se tornar o mais digital possível. Assim, está reduzindo os cargos e, mesmo, fechando agências por todo o país. O meu cargo mesmo deixou de existir, o que me obriga a encontrar uma realocação o mais rápido possível. O problema é que, como eu, há muita gente para ser realocada, e poucas vagas disponíveis. Ou seja, ninguém sabe ao certo como isso vai ficar. O banco jura que vai realocar todo mundo, o mais próximo possível de onde está hoje, e tenho tentado confiar nisso, mas também já estou me preparando para uma eventual mudança, se for o caso. Acredito que o simples fato de estar aberta a isso já ajuda um bocado. Estou aguardando as sinalizações, que vão chegar com toda a certeza! 

Mas então imaginem... juntar finanças que já não estão bem das pernas, com essa insegurança toda... o emocional balança mesmo! Tenho buscado me manter centrada, manter acesa a Fé (tenha Fé, diria meu pai!), tenho me agarrado com força no espiritual, e assim vou seguindo em frente, da forma como é possível. 

E hoje 2016 chega ao fim, daqui a pouco já será 2017 e, como diz Drummond, "Aí entra o milagre da renovação e tudo começa outra vez, com outro número e outra vontade de acreditar que daqui pra adiante vai ser diferente". Que assim seja! E que 2017 traga muitas coisas boas para todo mundo! Vamos que vamos!!! 

Feliz Ano Novo! 

Eu volto... em 2017!

Andréa

Leia mais!

sábado, 15 de outubro de 2016

Dia dos Professores, dia de pensar sobre Educação



Há algum tempo venho ensaiando um novo texto sobre Educação. Hoje, Dia dos Professores, resolvi postar algumas ideias. Afinal, após passar alguns meses frente a uma sala de EJA, na verdade uma sala de um projeto voltado a alunos com imensas dificuldades, vejo reforçadas várias de minhas crenças, em especial a de que a Educação precisa ser reformulada por completo. E urgentemente! 

Os desafios que os professores enfrentam diariamente tem íntima ligação com esse nosso método tradicional e ultrapassado de ensinar. Ou, talvez melhor dizendo, de tentar transmitir conhecimento. Mas a cada dia que passa, mais sentido faz, para mim, o que diz José Pacheco: estamos em pleno século XXI, ensinando como no século XIX, e com fundamentos filosóficos do século XVII. Mas quanta coisa mudou neste período? Quanto avançamos? E por que a escola continua repetindo a mesma fórmula até hoje?

Num mundo globalizado, em constante movimento, com informações de todos os gêneros ao alcance de um “clique”, como temos hoje, com as crianças e jovens dominando as novas tecnologias com velocidade muito maior do que seus pais, como podemos querer alunos estáticos, sentados pacientemente, enquanto o professor todo-poderoso fica à frente da sala derramando seu conhecimento? Isso já não funcionava quando eu era garota, o que dirá agora, com crianças e jovens ainda mais conectados do que seus pais! Se antes tínhamos álbuns de figurinhas, jogos de "stop", e outras diversões para nos distrair, hoje existem os celulares! Mudou a tecnologia, mas a finalidade é a mesma: fugir da chatice de uma aula expositiva!

A Educação, como é hoje, não busca necessariamente que o aluno aprenda. Busca que o aluno "tire nota" e "passe de ano" até se formar. Os próprios professores se acostumam, muitas vezes, com este sistema, e consideram os alunos aptos ou não de acordo com as notas que tiram. Os pais, de modo geral, não perguntam aos filhos o que eles aprenderam, perguntam que nota eles tiraram! É uma inversão de valores, como se a nota determinasse realmente o quanto o aluno aprendeu! Ah tá! Então me respondam com sinceridade: quantos alunos tiram 10 “colando”? Quantos alunos tiram 0 por terem um “branco” na hora da prova? Quantos alunos no dia seguinte à prova já não lembram o que estudaram, porque só o fizeram para “tirar nota”? 

Já contei em texto anterior sobre a experiência que a escola de minha irmã fez ao perceber que ela ia “mal” em matemática, apesar de a professora achar que ela sabia a matéria. Aplicaram um exercício para a classe e corrigiram o dela para ver a nota que ela tiraria. Tiraria 9! No dia seguinte, o mesmo exercício foi dado com o nome de “prova”... ela tirou 3! Ela não sabia a matéria ou tinha pânico daquilo? O que a escola devia fazer? Aprovar porque ela sabia a matéria ou reprovar porque ela não tinha nota?

Já ouvi professores dizendo que, para ser aprovado, o importante é que o aluno atenda aos requisitos básicos da série seguinte, já que ninguém vai aprender tudo mesmo... por que não??? Óbvio! Não é culpa do professor nem do aluno, mas o sistema não permite isso! O sistema que temos determina um cronograma anual padrão para todos, com os conteúdos divididos em anos ou séries, e subdivididos por bimestres ou trimestres. O professor tem que passar todo o conteúdo previsto, quer os alunos aprendam, quer não. Consequentemente, alguns alunos aprendem mais, outros menos, não há como uniformizar. E este sistema vai permitir ao aluno avançar se conseguir atingir a média determinada pela escola, que pode ser 5, 6, 7... o critério também varia. 

Então, pais exigentes colocam seus filhos em escolas “fortes”, que empurram conteúdo atrás de conteúdo e exigem notas altas, preparando (esperam eles) os alunos para a competitividade do vestibular e do mercado de trabalho, e pouco importando se os alunos são massacrados, se estão estressados, desgastados, ou não tem tempo de serem crianças ou jovens. Estes pais, muitas vezes, ainda arrumam atividades extracurriculares para que os filhos se desenvolvam ainda mais, pensando no futuro e esquecendo do "hoje", e de forma bem comum, ainda castigam os filhos que vão “mal”. 

Enquanto isso, pais de “alunos problema”, após se estressarem com as tarefas e as notas que os filhos não atingem, com reclamações contínuas das escolas, buscam escolas “fracas”, que não exigem muito para passar de ano, e assim os filhos conseguem logo o diploma e eles se livram mais rápido deste tormento! Não importa o aprendizado que vai restar, afinal, o importante é aprender “pelo menos o básico”. 

Existem, ainda, aquelas escolas que tiveram a “progressão continuada” implementada (uma ideia interessante mas pessimamente aplicada), onde os alunos simplesmente passam de ano, sabendo ou não o conteúdo. Avançam sem saber praticamente nada, tornando-se analfabetos funcionais, sem condições de cursar uma faculdade e ingressar no mercado de trabalho “de igual para igual”. Aliás, são vítimas deste sistema que tenho em minha sala hoje. Alunos que estariam na 5ª, 6ª, até na 8ª série e que mal sabiam ler, escrever e somar! Como pode?

Está tudo errado!

E o “problema” começa lá na Educação Infantil, crescendo como “bola de neve” durante toda a sequência do Ensino Fundamental e Médio. Começa por partirem de um pressuposto absurdo que todas as crianças da mesma faixa etária estão em um mesmo ponto de aprendizado e maturidade. Oras! Se hoje é fato mais do que aceito que cada pessoa tem um ritmo e uma forma de aprender, como ainda pode ser aceito este pressuposto? Ainda mais em uma época em que a inclusão já é exigida por lei e deveria ser realidade de fato nas escolas (se nem com lei é, imagina sem lei?), como se pode nivelar os alunos? Como é possível querer padronizar o ensino? Como é possível querer que todos os alunos da mesma série atinjam os mesmos objetivos? Como é possível querer que todos aprendam da mesma forma, se sabemos, através de Gardner, da existência das inteligências múltiplas? Não se consegue! Não tem como! Ainda assim, virou “moda” falar na tal padronização do ensino e se exaltar as qualidades das benditas apostilas! 

Pensem bem: se hoje é fala recorrente que não devemos sequer comparar o desenvolvimento de BEBÊS, o que dirá de crianças e jovens! Um bebê rola antes, outro balbucia antes, outro pega coisas antes. Um bebê anda cedo, o outro fala cedo. Há, ainda, aquele que faz tudo tarde, seja por uma deficiência, seja por característica própria, ou mesmo por falta de estímulos adequados. Estes bebês, ao crescerem um pouco, ingressarão em creches ou escolinhas e, se tiverem a mesma idade, serão tratados da mesma forma, farão as mesmas atividades. Há escolinhas que já têm apostilas desde o maternal, que têm PROVAS na Educação Infantil! Mas aquele que andou cedo talvez precise ser mais estimulado na fala, na expressão oral. O que falou cedo talvez precise de mais estímulos na parte motora. O que fez tudo mais tarde talvez precise de um trabalho diferenciado, mais próximo, estimulando todas as áreas. Mas tentarão, exaustivamente, que eles sejam igualados, nivelados, para que possam, juntos, chegar ao Ensino Fundamental. 

Juntos? Será? Qualquer professor de 1º ano pode dizer se seus alunos chegam no mesmo ponto. Claro que não! São crianças diferentes, com histórias diferentes, com estímulos diferentes, com características diferentes. Dentre os alunos que ingressam no 1º ano, há desde aqueles que já chegam alfabetizados, àqueles que jamais viram uma letra na vida! Como podem ser tratados da mesma forma? Alguns, ou todos, sairão prejudicados! Ou irão frear aquele que está mais à frente, ou irão acelerar quem está mais atrás (e em determinado momento, deixarão de prestar atenção a ele, porque o que vale mesmo é o “bom aluno”), ou farão um pouco de cada. O ritmo individual de cada um não será respeitado, novamente. Buscarão, mais uma vez, o nivelamento, que se segue vida escolar afora.

Mas, como esse nivelamento é fictício, passamos a aceitar que "nenhum aluno vai aprender tudo mesmo", a perceber que temos alunos muito bons em português mas péssimos em matemática (ou vice-versa, ou qualquer outra disciplina), a rotular aqueles que não estão caminhando da forma esperada como “alunos-problema”, e a encaminhá-los para alguma terapia (o problema é dele, não da escola, afinal). E a consequência, muitas vezes, é a perda do interesse do aluno no aprendizado. O que estava mais à frente e tem de ser freado, perde o interesse porque aquilo para ele é muito fácil. O que estava mais atrás, perde o interesse porque não dá conta. No ensino público, então, temos ainda um agravante. Os tais “alunos-problema” chegam em determinado ponto e são “convidados” a ingressar no EJA (mais rápido, mais fácil, menos conteúdo e não sou eu mesmo quem vou ter que cuidar, graças a Deus!), que muitas vezes vira “depósito” destes alunos, e ainda, no caso do curso noturno, larga um monte de jovens ociosos nas ruas durante todo o dia.

Ah, mas é claro que existem exceções. Alunos que se enquadram bem neste esquema, que gostam (ou aprendem a gostar) desta forma de estudo, e que até aprendem de fato. Estes espécimes raros, os tais “CDF’s” ou “nerds”, tiram sempre boas notas em todas as disciplinas, tornam-se orgulho de suas famílias, acabam disputados pelas escolas, que fazem os tais “vestibulinhos” para poder selecionar só aqueles alunos que interessam (leia-se: bons alunos, que não dão trabalho, que vão passar em bons vestibulares e “fazer o nome” da escola). 

Aliás, que coisa mais grotesca os tais vestibulinhos! São massacrantes para as crianças, derrubam a autoestima daqueles que não são aprovados, e são, ainda, tremendamente excludentes (óbvio). Se eu já acho que a faculdade deveria ser direito de todo aluno que finaliza o Ensino Médio, sem precisar passar por seleção alguma depois (se tem o diploma do Ensino Médio, afinal, é porque já passou por todas as avaliações necessárias), que dirá para ingressar na escola, que é direito de TODOS, segundo a Constituição Federal! 

Ensina-se, desde o princípio, que a criança deve ser competitiva, deve brigar por seu lugar, e que tem sempre que ser melhor que os outros, derrotar os que são “menos”, pois quem não “vence” não tem valor. E as escolas favorecem ainda mais essa competição, mesmo que não façam uso dos vestibulinhos, mas deixam de lado o aluno com dificuldade (tenha ou não deficiência) ou supervalorizam os “bons” alunos, expondo aqueles que se “destacaram” em determinado período. Como acham que é para um aluno que tenha dificuldade de aprendizado ver os colegas sendo aplaudidos, cumprimentados, valorizados, enquanto ele luta tanto para tentar atingir os objetivos propostos? E para os tais “destaques” e seus pais? Não é uma superinflada de ego?

Ok então... mas qual seria a saída? A saída é a reformulação total do ensino. A abolição das séries, das apostilas, das padronizações. A implementação da Educação para a autonomia, que respeita o ritmo do aluno e permite que todos aprendam tudo, cada qual no seu tempo e do seu jeito, que ensina a solidariedade, quando um ajuda o outro e fica feliz com a conquista alheia, que valoriza o diálogo e análise crítica dos fatos, ao colocar os alunos para estabelecer regras e solucionar eventuais conflitos. Temos vários e vários exemplos em todo o mundo, e mesmo aqui no Brasil, de escolas agindo de outra forma e conseguindo excelentes resultados. Aliás, já há até faculdades buscando essa visão de ensino.

Na Educação para a autonomia o aluno é ensinado, desde pequeno, a ir em busca do conhecimento, não há nada pronto, “de bandeja”. Os menores, além de terem todo o lúdico disponível (afinal, criança tem que brincar, em primeiro lugar), são também ensinados a agir com autonomia. Da mesma forma, os alunos que ingressam em escolas com este formato têm que ter um período de adaptação, faz parte. Essas escolas têm espaços amplos, salas de estudo sem separação por “nível”, “série” ou coisa que o valha, ao invés das salas de aula tradicionais. Têm pátios, jardins, que também se transformam em locais de estudo. Os professores, todos, estão sempre à disposição de todos os alunos, prontos a auxiliar quem tem dúvida ou está com dificuldade para entender algo.

A cada período (semanal, quinzenal, ou qualquer outro, a critério da escola) o aluno, em conjunto com seu orientador, determina um plano de estudo com os conteúdos que ele deverá aprender no período subsequente. Ele então deverá pesquisar (na biblioteca da escola, em tantos livros quantos forem necessários, ou mesmo na internet), comparar as informações das diversas fontes, buscar entender, de fato, aquilo que lhe foi proposto para que possa, quando se sentir seguro, ser avaliado. 

Se surgir alguma dificuldade, os colegas podem auxiliá-lo, ou ele pode pedir a um professor (que não necessariamente é o seu orientador, mas um que tenha domínio do conteúdo) que o socorra. Ele pode estudar na sala ou em qualquer outro espaço da escola que lhe agradar mais. 

Quando acredita já ter aprendido o conteúdo proposto, PEDE e é avaliado da forma que for mais interessante naquele momento. Isso inclui ter que explicar o tema, ou escrever a respeito, dar exemplos, desenvolver um projeto, debater o assunto com o professor, não necessariamente realizar exercícios de repetição. Deve-se mostrar APRENDIZADO, e não mera “decoreba” ou “mecânica”. Ao final da avaliação, o professor responsável verificará se o objetivo foi mesmo atingido, e o aluno poderá seguir adiante, ou se tem algo ainda a ser reforçado, e o aluno é orientado a rever aqueles pontos antes de prosseguir. Não há sentido, a partir do momento em que se espera que os alunos aprendam TUDO, em avançar quando ainda há pontos obscuros, afinal. E isso ocorre sem problemas, sem que o aluno seja “menos” que ninguém, sem o peso de uma “nota baixa”. É dada orientação, para que o aprendizado seja consistente e persistente. 

Se, em determinado período, algum conteúdo proposto não foi estudado, não há problema, é só retomá-lo no período seguinte! Afinal, quem nunca abraçou mais do que conseguia fazer ou não deu conta do recado por algum problema pessoal? Acontece! Há tempo para se aprender. Não havendo a separação por séries nem bimestres, o aluno tem todos os anos da Educação Básica para aprender todo o conteúdo. Sem estresse, sem cobranças, sem massacre. 

Cada aluno tem seu plano de estudo individual, e avança de acordo com seu ritmo, com sua condição, podendo, até mesmo, ir mais rápido em uma do que em outra disciplina. Qual o problema disso? O importante será que ele, ao final da Educação Básica, antes de receber um diploma ou certificado de conclusão, tenha estudado todo o conteúdo determinado. E se ele terminar os conteúdos antes do tempo determinado pelo MEC? É possível, não? Não há problema! Ele pode aprofundar os temas que mais lhe agradarem, ou pode se dedicar a algum tipo de pesquisa, ou mesmo aprender algo novo, que não estava previsto inicialmente. Simples!

Os conflitos, quando acontecem, são tratados pelos próprios alunos, sob supervisão dos professores, caso seja necessário. Aliás, é comum nestas escolas as regras e eventuais punições serem estabelecidas pelos próprios alunos, através de debates, votações, de forma democrática. 

Nestas escolas, além da forma de ensino completamente diferente, além das avaliações formativas, além de se estimular a pesquisa, e até a liberdade dos alunos estudarem onde preferirem, também são comumente em período integral, permitindo que os alunos aprendam artes, esportes, música, e evitando a existência das “temidas” lições de casa, pois existe tempo de sobra para o estudo na escola. 

Não é que os pais serão menos participativos, se lhes for tirada essa “função”, ao contrário. Mas existem outras formas de se atuar junto à escola, sem precisar do estresse das lições de casa, ou dos estudos às vésperas das provas! Em diversas escolas, por exemplo, os pais são convidados a fazerem oficinas para ensinar algo aos alunos. E aí não importa o grau de conhecimento de cada um, todos têm valor. Um engenheiro pode montar um laboratório de óptica, por exemplo, enquanto um marceneiro pode ensinar a criar móveis! Todo conhecimento é bem-vindo.

Os alunos passam a QUERER aprender, pois são desafiados a cada momento. Eles têm a responsabilidade de cumprir seus planos de estudo, não vai “cair do céu” nem vai ter de quem “colar” para conseguir uma boa nota (até porquê nem existe nota!). E, muitas vezes, a curiosidade sendo instigada, acabam indo além do que lhes foi proposto, querendo saber mais. 

É fácil chegar a esse ponto? Claro que não. Toda mudança requer planejamento, vontade, e até coragem para ser concretizada! Não existe mágica, não há como apontar uma varinha de condão e pronto! Tudo mudado! Não é assim... leva tempo, mas é preciso QUERER mudar e dar o primeiro passo! 

As mudanças necessárias para uma Educação para a autonomia requerem muito diálogo, pois esta é uma proposta radicalmente diferente do que existe hoje. Os alunos estranham, a princípio, tanta liberdade de ação. Os pais se sentem perdidos, ao não poderem cobrar notas dos filhos. Os professores custam um pouco a perceber sua mudança de função, de transmissor para orientador. Mas é possível. Temos vários exemplos disso, dando certo mesmo com alunos considerados “difíceis”, recusados em outras escolas. 

E, quanto mais eu vejo a situação das escolas hoje, quanto mais ouço e leio relatos de professores, e quanto mais eu vejo estes exemplos, mais eu creio na necessidade de mudança. É tão mais lógico, é tão mais inclusivo, é tão mais tranquilo aprender desta forma... Não sei se chegarei a ver acontecer, mas gostaria muito disso, de verdade!

A todos os professores, um feliz dia! 

Eu volto!

Andréa

Leia mais!

domingo, 18 de setembro de 2016

Está o homem involuindo?


Juro, tenho me perguntado isso com uma frequência cada vez maior. As coisas que tenho visto, lido, observado por aí, andam me assustando demais. Parece que o homem anda esquecido do que é amor ao próximo, respeito, solidariedade, compaixão. Sem querer generalizar, claro, porque graças a Deus tem muita gente boa por aí ainda, mas a percepção de pensamentos pequenos, mesquinhos, maldosos tem crescido de uma forma impressionante.

Aliás, generalizar é algo que nunca dá certo. Não pode dar. Generalização é irmã gêmea do preconceito. Quando se generaliza um pensamento junta-se todas as pessoas que têm uma característica, um pensamento, uma atividade, como se fossem todos uma mesma criatura, ou uma “raça” à parte. Não é porque alguém ou uma série de pessoas faz ou age de forma errada que todos são assim. Há, sempre, que se separar o joio do trigo! Por exemplo, essa semana viralizou a foto de um filhote que teve seu pênis arrancado para ser vendido como fêmea. Só que viralizou unido a comentários como “é isso que você consegue quando compra um cachorro”, “quem quer cachorro de raça é conivente com essas coisas”, “uma pessoa que cria um cachorro só visa o lucro, não tem amor”, e daí para pior.

Gente, calma... eu até concordo que há um grande número de criadores que são mercenários, cruéis, antiéticos, como há em qualquer atividade. Mas há também um grande número de criadores que não são assim! Ok, adotar é ótimo, eu tenho dois vira-latas em casa. Mas os cães de raça têm características que são próprias de cada uma, e que algumas pessoas se identificam com elas. Eu mesma AMO cachorros da raça boxer, sonho com o dia que terei outro! A criação, sendo feita corretamente, não é problemática. Cabe a quem quer adquirir um cão de raça procurar quem trabalha direito. Ou será que quem defende a adoção defende também o extermínio dos cães de raça? Só que uma criação é algo de grande responsabilidade, que demanda custos elevados, e a venda dos filhotes vem cobrir isso. O fato de alguém querer ter um cão de raça (e ter condições para adquirir um) não a torna um crápula sem coração.

Da mesma forma, uma mulher que fez tratamento para engravidar não é menos do que aquela que adotou. A que sonha em adotar um bebê não é menos do que aquela que adota um trio de crianças maiores ou uma criança com deficiência. Já vi em grupos de apoio à adoção mensagens bem duras neste sentido. Mas cada pessoa é de um jeito, tem um sonho, um ideal, uma crença, e o fato de não pensar como você não significa que seja um lixo, como as pessoas fazem crer.

Então nesse, como em qualquer assunto, é preciso ter discernimento e cuidado para não generalizar e colocar todas as pessoas num mesmo patamar, normalmente nivelados por baixo. Essa mania de generalização acarreta, muitas vezes, o que comentei no início: pensamentos mesquinhos, pequenos, maldosos mesmo.

Basta ver o que acontece em qualquer notícia divulgada na internet. Os comentários que vêm abaixo 
dela ou nos compartilhamentos em rede social são, na maior parte das vezes, terríveis! Pior, tem comentários que não tem relação com a notícia em si, que são colocados apenas para fazer mal, não há outra explicação. Comentei sobre isso aqui no blog há algum tempo, mas tem crescido de forma assustadora.

É só pegar como exemplo essa tragédia envolvendo o Domingos Montagner. Algo totalmente inesperado, que acabou causando uma comoção pela forma como ocorreu. Morte tão estúpida, tão repentina! Um excelente ator, pai de três crianças pequenas, que parecia ser uma pessoa incrível, pelos muitos depoimentos que foram dados. Um choque também pela Camila Pitanga, que estava com ele e que sofreu algo inimaginável com tudo isso. Alguém é capaz de mensurar a sensação de impotência (e até de culpa, por mais absurdo que isso pareça) dela ao vê-lo lutar, ela estender a mão e não conseguir segurá-lo, e depois acontecer isso tudo? Deve ser algo como senti quando minha mãe teve o enfarto e eu coloquei a mão nela mas não senti mais nada... não havia mais o que fazer, ela escapou por entre meus dedos. Levei anos para apagar essa sensação! Então não foi à toa que até quem não tem hábito de ver TV se sensibilizou com a história.

Ainda assim, vi alguns comentários que, sinceramente, causam enjoo! Chegaram a sugerir que ela o matou para desviar a atenção do Lula, já que é partidária do PT! Chegaram a postar na página dela que ela é culpada porque não se jogou no rio para buscá-lo! Disseram que os dois tinham um caso! (e se tivessem, ninguém tinha nada com isso, deviam ao menos respeitar a dor da viúva e dos filhos dele) Falaram que ele “mereceu” ou porque era da Globo, ou porque não era de Cristo, ou porque era corinthiano... sério, não posso acreditar que as pessoas pensam e pior, têm coragem de expressar, essas coisas! É nojento demais! Sem contar os que ainda fazem piada com o assunto, ou que postam fotos do corpo! Não consigo entender. De verdade.

Vale para tudo. Porque tudo, tudo MESMO, é motivo de brigas homéricas, de ofensas, de gente se achando “dona da verdade” com direito a dar pitaco na vida alheia, de julgar o outro como se fosse o primor da perfeição. Olha o caso desse jogo, “Pokemon Go”! Um jogo! J-O-G-O! As coisas que li sobre isso são tão absurdas que nem sei! Como pode um jogo para celular despertar tantos e tão díspares intensos sentimentos?

Confesso que fiquei bem preocupada no início, ao ver o mecanismo do jogo, por uma questão de segurança. Mas não por causa da CIA saber onde eu moro, mas porque poderia haver um jeito de pessoas inescrupulosas usarem essas informações.

Quando o jogo chegou ao Brasil, minha timeline no Facebook começou a “pipocar” com mensagens contra e a favor. Mas se as que eram a favor eram leves, divertidas até, as que eram contra apontavam o jogo como coisa “daquele” que nem cito o nome, ou mostravam notícias falsas, comprovadamente, em que as desgraças só tinham ocorrido “por culpa do jogo”.

Ao mesmo tempo, comecei a observar uma mudança no comportamento da cidade. Pessoas circulando em grupos, o centro fervilhando, amigos comentando que estavam deixando o sedentarismo de lado. E ainda surgiram notícias de ações positivas usando o jogo. Hospitais que usavam para fazer as crianças em recuperação saírem da cama, professores aproveitando o tema para ensinar trigonometria, geografia, química... (acabei, eu mesma, instalando para ver como era, e curti o negócio... ando bastante mesmo, é uma distração bem legalzinha)

Percebem como nada é totalmente negativo ou positivo? Não se deve generalizar. Isso deveria ser uma regra básica na vida de cada um. Ao invés de julgar o outro por uma ou outra coisa, olhe para o todo. Ninguém é perfeito e, menos ainda, senhor da verdade. Nem você. Nem eu. Ninguém mesmo.

Então, antes de colocar uma crítica ácida numa notícia ou numa postagem, veja se é de fato pertinente, se vai acrescentar algo ou se apenas vai botar mais “lenha na fogueira” ou “destilar um veneninho básico”. Se uma pessoa faz, fala ou escreve algo que você não concorda, antes de simplesmente excluí-la do seu círculo (essas “amizades” descartáveis me assustam!), de bloqueá-la, observe o restante dela. Faça como na história que deixo ao final deste texto, que li em criança, num livro encantador que ganhei de presente de meus avós, e carrego como Lei para a vida.

Aí, quando já estava com esse (mini) texto praticamente pronto, assisti um vídeo do Papa Francisco falando das religiões. Não sou católica, mas admiro este papa, que vem me surpreendendo muito positivamente, e novamente agora. É um vídeo em que ele prega o respeito e o diálogo entre as pessoas de diferentes religiões, fala do respeito às diferenças, fala de AMOR. Mas, pasmem! Existe uma onda de comentários absurdos, de pessoas das mais diversas religiões, atacando o vídeo e o papa pelos motivos mais insanos! Tem gente chamando-o de herege! Questionando a religião DELE, como se fosse um “traidor da fé”! Chegam a compará-lo ao anticristo! Pessoas com um pensamento tão radical, tão fundamentalista, que eu me pergunto o que aprenderam com as suas religiões... não foi nada disso que o Cristo nos falou! Aliás, Ele sequer fundou uma religião, então quem somos nós para apontarmos esta ou aquela como a “verdadeira”? A Verdade está dentro de cada um, e mais importante do que seguir esta ou aquela religião (ou não ter nenhuma, ou mesmo não acreditar em nenhuma) são as atitudes que tomamos diante da vida. Um ateu pode ser muito mais solidário, amoroso, correto, do que aquele que se diz religioso!

Cada um de nós, acredite nisso ou não, está encarnado para aprender e para evoluir. Para crescer como indivíduo e como ser espiritual. Façamos, então, uso desta experiência da melhor forma possível. Aproveitemos essa oportunidade de forma plena. Sigamos os preceitos do Cristo ao olhar para o outro, fazendo isso com AMOR, com compaixão, com respeito. Não apontando seus defeitos, mas observando suas qualidades. A sua vida vai ficar mais leve, tenho certeza. E o astral do nosso planetinha vai agradecer!

Eu volto! (só não perguntem quando!)

Andréa

A BALANÇA
(Wallace Leal V. Rodrigues)

Quando menino eu vivia brigando com meus companheiros de brinquedos. E voltava para casa lamuriando e queixando-me deles. Isto ocorria, as mais das vezes, com Beto, o meu melhor amigo.

Um dia, quando corri para casa e procurei mamãe para queixar-me do Beto ela me ouviu e disse o seguinte:

- Vai buscar a sua balança e os blocos.

- Mas, o que tem isso a ver com o Beto?

- Você verá... Vamos fazer uma brincadeira.

Obedeci e trouxe a balança e os blocos. Então ela disse:

- Primeiro vamos colocar neste prato da balança um bloco para representar cada defeito do Beto. Conte-me quais são.

Fui relacionando-os e certo número de blocos foi empilhado daquele lado.

- Você não tem nada mais a dizer?

Eu não tinha e ela propôs: Então você vai, agora, enumerar as qualidades dele. Cada uma delas será um bloco no outro prato da balança. Eu hesitei, porém ela me animou dizendo:

- Ele não deixa você andar em sua bicicleta? Não reparte o seu doce com você?

Concordei e passei a mencionar o que havia de bom no caráter de meu amiguinho. Ela foi colocando os blocos do outro lado. De repente eu percebi que a balança oscilava. Mas vieram outros e outros blocos em favor do Beto.

Dei uma risada e mamãe observou:

- Você gosta do Beto e ficou alegre por verificar que as suas boas qualidades ultrapassam os seus defeitos. Isso  sempre acontece, conforme você mesmo vai verificar ao longo de sua vida.

E de fato. Através dos anos aquele pequeno incidente de pesagem tem exercido importante influência sobre meus julgamentos. Antes de criticar uma pessoa, lembro-me daquela balança e comparo seus pontos bons com os maus. E, felizmente, quase sempre há uma vantagem compensadora, o que fortalece em muito a minha confiança no gênero humano.  


Leia mais!

domingo, 12 de junho de 2016

Novidades em Scraps by Andrea


É isso mesmo! Após um período bem quietinha, a Scraps by Andrea volta com tudo!!! Aquelas disparadas do dólar haviam dado uma desanimada por aqui, a demora dos Correios idem, então tinha dado uma parada na loja. Mas hoje as pessoas já habituaram com o trâmite das encomendas internacionais e o dólar deu uma estacionada, é hora de voltar à ativa! :D

Para começar, uma reformulada geral na loja do Elo7, retirando produtos que ficaram muito caros nos atuais parâmetros de dólar, colocando nomes melhores nos produtos, incluindo itens novos... feito isso, ativei a vitrine do Elo7, que abre como se fosse uma loja exclusiva Scraps by Andrea, e não na loja geral deles. Para deixar ainda melhor, consegui um domínio próprio que direciona para lá! SIM!!! :D Agora, para chegar à loja, basta digitar www.scrapsbyandrea.com! Não é o máximo???

E as novidades não param por aí! Arrumei a página do Facebook também, que agora conta com uma loja dentro dela! Ou seja... dentro do próprio Facebook é possível efetuar sua compra! :D Perfeito!!! Para comemorar, uma promoçãozinha para os curtidores da página...


Gostou? Quer ganhar desconto? Fácil, fácil!!! Curte a página (claro!), compartilha o post do cupom em modo público, e faça a compra! Ao fechar o pedido, inclua o código "face10friend" e o seu nome de perfil ou link nos comentários. Prontinho!!! Descontinho de 10% computado para você! ;) Vai perder essa, vai???

Para finalizar, ainda coloquei os produtos no Pinterest! :D É isso aí! Agora a loja vai bombar de vez!!! Quem seguir a página do Facebook ou do Pinterest vai estar sempre por dentro das novidades e promoções! E já estou preparando novos produtos para colocar na loja! ;) Vai querer ficar de fora??? Então se garanta e curta as duas!!! :D

Aguardo vocês!!! ;)

Andréa


Leia mais!

sexta-feira, 10 de junho de 2016

Já são 15 anos de saudade...


15 anos... quinze longos anos em que sua ausência se faz presente em nossas vidas. Como nos faz falta até hoje! Como nos faz falta agora, que recebemos Gregório! Puxa vida... além de curtir horrores o bisnetinho, primeiro menino na família, ainda nos ajudaria tanto, com sua experiência, seu conhecimento, sua serenidade!!! :/

Mas você foi apressada, né? Resolveu "se mandar" cedo, abraçar tarefas maiores, em outros níveis... ;) a nós cabe aguentar a saudade, torcer para conseguir sonhar - e lembrar! - com você, aguardar uma notícia por algum meio. Não é fácil, sabe? Para mim, então, que sempre fui tão ligada a você (sua advogada, segundo papai! :P ), tem horas que se torna dificílimo! São tantas as lembranças... tantas "pequenas coisas" do dia-a-dia, que eram só nossas, da nossa amizade, da nossa cumplicidade, que olha... ainda hoje bate um vazio imenso certas horas! Claro que muitas vezes as lembranças vêm acompanhadas de muitas risadas, afinal, suas crises de "Solangite" davam uma enciclopédia! O seu bom humor, sua alegria, eram contagiantes! Mas tem momentos em que a falta é sentida de verdade, em momentos simples, como assistindo a um programa de TV que víamos juntas, ao ver uma notícia que certamente comentaríamos, ao ouvir uma música que gostava... ao abrir o seu caderno de poesias e encontrar sua letra (e sua inspiração) tão linda!

A cada dia que passa me percebo mais parecida com você. Fisicamente sou mesmo, óbvio... até o Facebook quer me marcar em fotos suas! :D Mas no jeito também, na personalidade... me vejo tomando atitudes, agindo, como você faria. Às vezes chego a lhe reconhecer em algum gesto meu, num sorriso. Eu só espero conseguir espelhar também o mesmo caráter, a mesma postura, a mesma hombridade com que sempre pautou sua vida. Eu tento, pelo menos, seguir seus ensinamentos, seus passos.

O meu amor por você é tão grande, mãe, que nem dá para explicar, mensurar. A saudade, então, é enooooooooooooorme de grande! Mas eu entendo, como entendi desde o princípio (ainda que não goste nem um pouco disso... humpf!), que era especial demais para esse nosso mundinho, e que Deus precisava de alguém como você por perto, nesse momento de caos que o planeta atravessa. Uma pessoa capaz de expressar em palavras como a dessa poesia, que deixo no final, toda sua sensibilidade, espiritualidade. Então... vamos nos encontrando nos sonhos, não é? ;)

Que seu caminho seja sempre de muita Luz, minha mãezinha... e que possamos nos reencontrar um dia, para matarmos toda essa saudade que machuca tanto ainda.

AMO MUITO VOCÊ!

Beijos!

Andréa

O HOMEM
(Solange Tikhomiroff - 03/04/1990)

A soberba do homem é tamanha
Que tudo que ele vê como façanha
É patético, triste e ilegal...

A matança de animais sem piedade
Para alimento ou pura vaidade
O afasta sempre mais do ideal

A ganância do homem é sem limite
Seja qual for o lugar em que habite
Traz consigo destruição e dor...

Põe fronteiras e muros onde passa
Arrasa tudo que recebeu de graça
E que Deus repartiu com puro amor

A vaidade do homem é tão incrível
Que ele cré que tudo é possível
Porque ele é "poderoso" e "inteligente"...

Não existem muitos seres evoluídos
Neste planeta de sonhos destruídos
Pela falta de amor e falsas ciências!

Leia mais!

segunda-feira, 30 de maio de 2016

Bem-vindo, Gregório!!!


Essa postarem estava esperando para ser escrita há dias, mas você, bichinho preguiça, brincou com a gente desde o começo! :D

Primeiro foi resolver vir menino numa família dominada pelas mulheres. Depois, a previsão de nascer até 24 de junho nos botou em alerta desde o mês de abril. Claro! Era a quarta tentativa de fazer uma criança nascer em maio... as três primeiras, eu, tia Samara e sua mãe não curtimos a ideia e nascemos antes. Será que você daria conta de esperar? o.O

Aí em abril começou a dar uns sinais... mas saiu do signo de áries, domínio nosso, para o de touro. Deixou terminar abril... uau! Será que vem em maio mesmo??? O mês foi passando, os sinais acentuando, mas nada de se decidir. Passou o signo de touro também e entramos em gêmeos, mas ainda assim nada de aparecer. O tal dia 24 da primeira previsão passou batido, nem quis saber. Mas os sinais foram intensificando cada dia mais... até que uma médica resolveu dizer que se não resolvesse sozinho até dia 03 (de JUNHO!) ela iria decidir por você, e nós voltamos a achar que maio não teria moral em casa... :P

Mas esse negócio de decidirem por você não rola, né? Primeiro veio o recado pela tia Cris, uma danada vê tudo antes da gente, que contou que lhe viu com seu biso e sua bisa, e que estava tudo bem. Claro, né? Numa companhia dessas, como não? ;) Aí, você fingiu que aceitava, mas resolveu escapar do quentinho por conta própria e nos brindar com sua presença hoje, 30 de maio! Mais um tabu rompido na família! Quantos mais ainda irá romper? Quantas surpresas irá nos reservar? O tempo dirá isso...

O importante, meu amor, é que chegou cheio de saúde, com 3,370kg espalhados em 49cm de imensa fofurice, deixando mamãe, titia, tia-vó, papai, vovó, todos completamente apaixonados por você! :D

Seja bem-vindo!!! Esse nosso mundinho é  um tanto quanto louco demais, mas você sempre terá a todos nós para he amparar e proteger. Pode confiar!

Que Papai do Céu abençoe sempre sua vida, dando sempre muita saúde, alegria e amor! Porque nós já amamos muito você!!!

Sua tia-vó babona,

Andréa

Leia mais!

sexta-feira, 6 de maio de 2016

Há cinco anos que a saudade só cresce...


Há cinco anos eu vivia meu maior pesadelo... aquilo que mais temia, e que de certa forma adivinhava sem querer acreditar aconteceu. Há cinco anos você seguia seu caminho e ia ao encontro de minha mãe. Há cinco anos precisei começar a me reinventar, tornando-me, de repente, a "cabeça" da família. Há cinco anos, em meio ao turbilhão causado pela enchente do início do ano, somado à dependência química da Thabata, precisei levar à risca o tal "levanta, sacode a poeira e dá a volta por cima".

Não havia tempo para baquear. Não havia tempo para revoltar. Não havia tempo para racionalizar. Não foi nada fácil.  A sua partida repentina me devastou. Abriu um buraco imenso em minha vida, e na vida das meninas também. Não há como negar, a ausência física dói demais, a tristeza é inevitável e imensurável.  :'(

Mas eu não seria filha de Ronaldo e Solange se me permitisse entregar a essa dor sem tamanho. Não teria aprendido a lição de Fé, que sempre me ensinaram, se não fosse à luta imediatamente. Ok... o fato de compreender as leis espirituais ajudaram um bocado, impediram que houvesse revolta, facilitaram a aceitação. Mas também este conhecimento devo a ambos. ;) 

Foi tirando força da força que me ensinaram a ter que superei a dor, que segurei a barra da internação da Thabata, que enfrentei as enchentes no outro ano, que encarei uma mudança de cidade para ser promovida no banco, que tenho pautado todas as decisões de minha vida. Só espero não os estar decepcionando! ;)

Sabe, pai? Ainda hoje me pego querendo falar com você. Querendo ligar, pedir opinião, ouvir sua voz. Querendo um abraço como este da foto. Essa falta de contato é que maltrata. A saudade, nestes cinco anos, só fez crescer. A gente "acostuma", é verdade. Conforme passa o tempo, a saudade vai ficando mais "leve". Mas determinados momentos tudo é reavivado, e a "ficha" volta a cair como se tivesse acabado de acontecer. Como há algum tempo que cheguei em casa e pensei "que bom que cheguei cedo, posso ligar para o meu pai"... :( É... nesse dia desabei legal. Mas é que a saudade é grande demais, sabe?

Só que o dia hoje não é de tristeza, porque foi o dia em que alcançou aquilo que almejou por dez anos. O dia que reencontrou seu grande amor. O dia que se libertou de uma doença, que não sabemos ao certo o que era, mas que vinha lhe maltratando e podia maltratar ainda mais. O dia do seu REnascimento, na sua verdadeira morada. E é por ter certeza de que está bem, e que está feliz, que eu agradeço diariamente por ter ido da forma como foi. Rápido, sem grandes sofrimentos, em paz. Você merecia isso. Era É um grande sujeito. E eu AMO VOCÊ, com uma intensidade absurda. A saudade? Essa permanece, claro. E cresce, diariamente. Mas eu sei que é temporário, e em algum momento iremos nos reencontrar e dar muitos abraços, ainda mais felizes do que o desta foto aí. (e depois você vai apanhar um bocado por ter me deixado aqui tão cedo, viu??? :P )

Para festejar sua data, vou finalizar com um texto seu, que faz tempo que não publico, né?

"Nunca se esqueça, nem um segundo, que eu tenho o amor maior do mundo... como é grande o meu amor por você!"

Beijos, paizinho! AMO, AMO, AMO, AMO, AMO muito você!!!

Andréa

COMO SOMOS PEQUENOS...
(Ronaldo Tikhomiroff)

Desde o dia em que o homem percebeu sua superioridade sobre os demais companheiros da Natureza, fruto de uma capacidade de raciocínio inexistente em outras espécies, começou a cavar sua própria desgraça. Ao se sentir superior aos demais, ele se intitulou o senhor da Terra e a destruiu. Trouxe o extermínio de espécimes que aqui viviam sem incomodá-lo, trouxe a devastação das matas que só lhe ofereciam as condições mínimas de sobrevivência, trouxe a demarcação das terras a nós cedidas por Vontade Superior...e com isso, as guerras.

Não satisfeito, criou o dinheiro e distorceu sua finalidade. Da praticidade da moeda, surgiram a ganância, a corrupção, a extorsão, o roubo e o domínio dos mais ricos sobre os “menos favorecidos”. Apesar de todos serem frutos de uma mesma origem, o homem inventou o “sangue azul” e, com isso, criou as “famílias reais” que passaram a ser adoradas pelos chamados plebeus, na verdade gente da mesma espécie humana daqueles sanguessugas. Esqueceu-se de tudo aquilo que compunha, na verdade, sua essência. Esqueceu-se de amar o próximo e a si mesmo. Tornou-se um ser danoso a todas as espécies vivas, a toda a Natureza e...com toda sua inteligência...danoso à sua própria sobrevivência.

Ao tomar conhecimento das conseqüências da crise no nosso sistema de saúde, com greves paralisando hospitais, com doentes implorando por assistência médica, deitados no chão frio dos corredores de hospitais, chego a me envergonhar de minha condição de ser humano, de certa forma parceiro desses que demonstram um total desprezo pela vida humana. A que ponto chegou o ser humano, principalmente aquele que, pelo menos nas aparências, abraça uma profissão para ajudar a aplacar o sofrimento de seus semelhantes. Vira-lhes as costas pelo mais vil dos motivos: o dinheiro. Aquele mesmo dinheiro que levou Cristo ao sacrifício da cruz.

Como pode dormir sossegado um médico que se recusa a atender seus irmãos que sofrem, simplesmente porque não poderá somar um pouco mais a seu patrimônio? Como pode alguém usar a vida humana, não a sua, para barganhar um aumento salarial ou melhores condições de trabalho? Mesmo que a falta deste aumento signifique provações para si e sua família, certamente não pode ser trocado pelas vidas humanas que deveriam estar sob seus cuidados. Seus motivos, em princípio justos, deixam de existir, face à barbaridade infringida a seus semelhantes, que nele depositam suas próprias vidas.

Se a estrutura governamental não consegue, ou não se propõe a resolver o problema da saúde, é justo tal conta ser paga com a vida de pessoas que sequer contribuíram para tal problema? Da mesma forma que a atitude dos governantes é deplorável, também o é a daqueles que, por obrigação moral, pelo menos, deveriam estar nas frentes de batalha, socorrendo com muito amor a todos que deles necessitam. O que está faltando é exatamente isto:  AMOR!

Quantos indivíduos, que nada fazem de útil na vida, seja por se encontrar em posição financeira elevada, seja por vagabundagem, estão tomando conhecimento da situação caótica da saúde e sequer movem um dedo para tentar aplacar o sofrimento dos mais carentes? Como pode o sistema governamental falar em telefonia celular ou casa informatizada em um país onde os cidadãos são submetidos a situações humilhantes e degradantes por falta de lençóis nos hospitais? quantos lençóis a “socialite”, que nada faz na vida senão “badalar”, costuma usar para dormir? onde está o amor ao próximo? onde está a dignidade humana? quando o homem vai acordar e se tornar grande perante seu Criador?

Após resolvida a greve irresponsável na saúde, sejam quais forem os resultados, quem será o responsável pelas mortes e lesões irreversíveis dos inocentes que ficaram perambulando, implorando um atendimento médico? será você, DOUTOR? ou será melhor você rasgar seu diploma e se dedicar a trinchar carne em um matadouro? afinal, que diferença existe? se hoje você ocupa uma posição privilegiada na sociedade, esteja certo que sua prestação de contas perante o Pai não será diferente da de todos os seus irmãos que hoje você ignora. Porém você terá uma grande surpresa: será julgado com todo o amor que hoje você negou a seus semelhantes. Isto não é uma ameaça. É uma certeza irreversível.

Este é mais um momento para refletirmos. De nada adianta nossa indignação pelos fatos que ocorrem em nossa volta se não procurarmos crescer. É no crescimento interior do ser humano que reside a cura para os males criados pelo próprio homem. De nada vale criticarmos os fracos de espírito, se viramos as costas para aqueles que precisam de nosso auxílio. Pois são os fracos de espírito os que mais necessitam de auxílio.

Na atual conjuntura mundial, onde a degradação do ser humano se evidencia a cada instante e em cada rincão da Terra, é necessário, é urgente que todos aqueles que possuam um mínimo de discernimento sobre seu papel, sobre seus deveres enquanto ser humano, reconheçam os erros e procurem minimizar a miséria humana. Aqueles que possuem o privilégio de reconhecer seus próprios erros, de tentar corrigi-los a cada queda, se tornam grandes perante os infelizes que sequer enxergam a razão de sua própria existência e que precisam de luz para, pelo menos, saberem onde estão pisando e para onde estão se dirigindo.

É essencial que o homem do final do século XX reconheça quanto é pequeno em suas atitudes e que, através do caminho interno, buscando sua essência, procure crescer e se tornar digno de seu Criador.

A tempo: mais uma criancinha morreu por falta de atendimento médico na rede pública...Que Deus perdoe os fracos de espírito!

Leia mais!